sexta-feira, setembro 05, 2008

Sobre a liberdade e outros renascimentos

O dia entrega-se-me em grãos opulentos de alvura e o sol me cumprimenta livre. Não há no mundo um tão numinoso momento. Para cheirar o mar. Olhar o mar. Voltar ao mar. Provar do vento morno que a noite não tratou de arrefecer em bondades delgadas sobre a pele de há muito intocada. O dia envolve-se de minhas alvuras e a areia me sentencia: livre. É vasta de arrepios a água quando explode nas pedras e é música de marola, quando volta e volta e volta. E volta para embalar o barco, para tocar os joelhos, para benzer dos dedos as pontas, aos dentros mais escondidos de sozinhez e escuridão passadas. E volta para ondular os cabelos e deitar luminosidades de prisma através das pestanas molhadas. Porque o dia assim vivido é grão, granada, gratitude, grandeza de horizonte, oração de tributo à plenitude. E é desassombro, descanso, esperança sem precisão de nada esperar. É prontidão ao destino que vier e é paz sem medida. Porque o sol me reconhece livre.
(texto e imagem: Cecilia Cassal - Mucuripe - Fortaleza - CE)

6 comentários:

marcia cardeal disse...

Bárbaro o ritmo que você imprimiu aqui. De uma boniteza impossível de esconder. beijos daqui

Mara faturi disse...

QUERI,

Que belas imagens ( mar, grãos,poema)...ADOREI!!
tautogramas? nome grandão,mas só quer dizer:poema que inicia e continua até o fim com a mesma inicial...
bjão menininha linda!!

marcos pardim disse...

estar-se em prontidão para o destino que vier é, das liberdades possíveis, uma das mais desejáveis. 1 beijo

Re disse...

Belo como sempre soube. Te desejo muita paz!
Re

Rubens da Cunha disse...

legal, fostes bem longe, mas a linguagem e a precisão continuam as mesmas :)
abraços
Rubens

Paulo Bentancur disse...

Grande poder de descrição. A descrição, essa ferramenta meio banal da arte das palavras, encontra em ti uma força para a renovação. E então passa a ser mais que descrição. Passa a presença, personagem, ação em silêncio.

Beijos.