quarta-feira, novembro 26, 2008

(imagem: Vincent van Gogh)

19 comentários:

RE disse...

Espero que logo e com a ajuda de Deus e das pessoas que nos amam.
Bj na alma!

Jacinta Dantas disse...

Nossa, Cecília, forte demais. E, prá cicatrizar, às vezes temos que fazê-la doer, ainda mais, rasgando o peito, limpando em volta e por dentro, e preparar o organismo para outras e novas experiências de vida.
Beijos

marcos pardim disse...

possuo algumas cicatrizes que, embora não me causem sentida dor constante, quando resolvem doer... 1 bj.

Luiza Bastos disse...

até sempre.

Karine disse...

As feridas, mesmo quando julgamos cicatrizadas, fazem com a gente este círculo vicioso da figura, vão-e-voltam-e-vão.

Bjs

Dalva M. Ferreira disse...

Instigante!

Janaina Amado disse...

Em mim doem cicatrizes.
Abraço!

Janaina Amado disse...

Cecília, há dias deixei um comentário aqui, que não sei por que, voltou.
Pra dizer que este poema-postal (?) me comoveu muito. Em mim, ainda me doem as cicatrizes.

Valéria disse...

sintonia é algo tão... tão o que? forte né...
estes dias postei algo que fala de feridas...
elas doem enquanto ou quando lembramos delas...? não sei. mas penso (as vezes) que não são as feridas ou as dores dasferidasque têm que nos abandonar... nós somos quem devemos abandoná-las...
beijo

Rubens da Cunha disse...

fico com a luiza: até sempre

Rubens da Cunha disse...

fico com a luiza: até sempre

Simone Gois disse...

Até decidirmos.
beijos

Fernando Rozano disse...

CeciLia, sabes o quanto significa estar aqui e beber dessa sensibilidade que abre nossas possibilidades. só posso te agradecer e desejar que assim seja sempre. meu abraço carinhoso.

marcos pardim disse...

salve, cecília. gracias por mais este ano de amizade virtual e por suas palavras tão afiadas e afinadas, aqui ou acolá. buenas festas e feliz 2009. 1 bj

Cláudio B. Carlos (CC) disse...

Oi!

Te indiquei ao Prêmio Dardos.

Grande abraço,

*CC*

mulher de sardas disse...

querida Cecília, vim te ler e te deixar meus desejos de um belo 2009, de preferência poético, ou, ao menos, tranquilo.

beijos.

Hercília Fernandes disse...

Cecília, adorei o poema. "Até quando?"...

Você demonstra apurada sensibilidade e técnica literária. Bravo!

Abraço,

Hercília F.

Mara faturi disse...

AIIII CECI,

A MINHA SAUDADE NÃO CICATRIZA NUNCA;)
CADÊ VC??
BJÃOOOOOOOOO!

Anônimo disse...

e eu me pergunto, como é que pude meu deus, permitir a minha alma pernanecer nessa dor por tanto tempo...