terça-feira, maio 24, 2011

Seduções

Não esperava pelo encontro, a Mulher. Não assim. Eram oito da manhã e Ele cantarolava enquanto servia-lhe o café, depois de abraçá-la por mais tempo do que deveria. Mais terno do que deveria, tão pouco perfumado quanto convinha ao horário. Deveria ser proibido tanto bom humor a essa hora da manhã, ela resmungou para si. Mas gostou. A barba feita, era isso, o cheiro da barba recém-feita, ela chegando do sono, ela ainda meio mole do sono, emergida dos lençóis para a reunião vespertina demais. Ele servia o café e murmurava sem letras, ela conhecia a música: “olha você tem todas as coisas que um dia eu sonhei pra mim...”. Ela estreitou a xícara entre as mãos e mergulhou os olhos no negro fumegante do café. Ele não deveria fazer isso, pensou, e pensou no que fazer com aquilo tudo que lhe era entregue. Não deveria, considerou de novo. Quando se deu conta, ele tinha-se abaixado e contorcido até ficar com a face logo abaixo da xícara, olhando-a direto dentro do castanho dos olhos. Ela riu na hora e reprimiu vários sorrisos depois. Agradeceu em segredo, quando a reunião passou sem que ninguém percebesse.
Texto: CeciLia Cassal  Imagem: Litografia de Marilia Fayh

3 comentários:

Anônimo disse...

Hello é a 3ª vez que vi o teu blogue e gostei muito!Espectacular Trabalho!
Cumps

Dalva Maria Ferreira disse...

Parece um presente, e às vezes temos medo de usufruir tudo de bom que a vida nos dá.

Vinícius Mendes disse...

Quanto tempo não vinha por aqui.

Ainda continuas ativa no blog. Gosto desta circulação humorosa em forma de crônicas.


Vinícius.